13 de dez de 2016

Visitem meus outros blogs....Link Abaixo.

Posted by Semeando Paz on 13.12.16No comments

Seja bem vindo(a) a este  blog! Obrigada pela visita!

Agradeço imensamente todos que adentram este blog.
È sempre uma alegria recebe-los.


Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio" (Hipócrates)





Quando você se cala seu corpo fala.

Grata a todos.


Olha que coisa interessante ....Quantas vezes somos feridos pelas palavras rudes de alguém?

Posted by Semeando Paz on 13.12.16No comments






Ostra Feliz, não produz Pérola!

Quando um corpo estranho (Grão de areia, ou um parasita) entra em uma Ostra, causa muita dor e inflamação na mesma, dentro da ostra é encontrada uma substância lustrosa chamada NÁCAR. Quando um grão de areia a penetra, as células do NÁCAR começam a trabalhar e cobrem o grão de areia com camadas e mais camadas, para proteger o corpo indefeso da ostra.

E como resultado de toda esta dor e inflamação, uma linda pérola vai se formando!
As Pérolas são produtos da dor! Resultados da entrada de uma substância estranha ou indesejável no interior da ostra. Uma ostra que não foi ferida, não produz pérolas, pois a pérola é uma ferida cicatrizada.

Quantas vezes somos feridos pelas palavras rudes de alguém? – Ou fomos acusados de ter dito coisas que não dissemos? – Você já sofreu os duros golpes na vida? E por entregar a nossa vida á Deus, quantas vezes já sofremos a dor de ser rejeitado devido a nossa crença, recebendo o troco da indiferença e do preconceito?

As virtudes de um homem e mulher tementes á Deus são como pérolas valiosas. Olhe para a ostra, Ela é bonita, mas o seu verdadeiro valor está dentro dela. Existem muitas ostras no mundo, mas são poucas as que trazem o valor precioso que é a pérola! A pérola que está dentro da ostra é que vale infinitamente mais, não importando o tamanho, a beleza e a cor da ostra.

Cubra suas mágoas e dores com várias camadas de amor. Infelizmente, são poucas as pessoas que se interessam por esse tipo de movimento. A maioria aprende apenas a cultivar ressentimentos, deixando as feridas abertas, alimentando-as com vários tipos de sentimentos pequenos e, portanto, não permitindo que Deus as cicatrize.

Assim, na prática, o que vemos são muitas “Ostras Vazias”, não porque não tenham sido feridas, mas, porque não souberam perdoar, compreender e transformar a dor em amor. Você pode agir de maneira sábia e transformar suas Feridas em Pérolas! É um processo doloroso no início, mas recompensador no resultado final.



Uma ostra que não foi ferida não produz pérolas… As pérolas são feridas curadas!

"Uma ostra que não foi ferida não produz pérola"

Posted by Semeando Paz on 13.12.16No comments







As pérolas são feridas curadas

____Pérolas são produto da dor, resultado da entrada de uma substância estranha ou indesejável no interior da ostra, como um parasita ou um grão de areia. A parte interna da concha de uma ostra é uma substância lustrosa chamada nácar. Quando um grão de areia penetra, as células do nácar começam a trabalhar e cobrem o grão de areia com camadas e mais camadas para proteger o corpo indefeso da ostra. Como resultado, uma linda pérola é formada.
____Uma ostra que não foi ferida, de modo algum, (não) produz pérolas, pois a pérola é uma ferida cicatrizada:


Você já se sentiu ferido pelas palavras rudes de um amigo?
Já foi acusado de ter dito coisas que não disse?
Suas ideias já foram rejeitadas?

____Então produza uma pérola ... cubra suas mágoas e as rejeições sofridas com camadas e camadas de amor.

Fele Menos

Posted by Semeando Paz on 13.12.16No comments

_Aprenda, então, a não falar excessivamente de si mesmo, nem comente a própria dor. Lamentação denota enfermidade mental e enfermidade de curso laborioso e tratamento difícil. É indispensável criar pensamentos novos e disciplinar os lábios. Somente conseguiremos equilíbrio, abrindo o coração ao Sol da Divindade. Classificar o esforço necessário de imposição esmagadora, enxergar padecimentos onde há luta edificante, dói identificar indesejável cegueira dalma. Quanto mais utilize o verbo por dilatar considerações dolorosas, no círculo da personalidade, mais duros se tornarão os laços que o prendem a lembranças mesquinhas.

A doença é provocada por agentes físicos que alteram o funcionamento normal do corpo. Todas as vezes que a saúde for perturbada, é sinal de que existem elementos físicos interferindo nas atividades biológicas.

Posted by Semeando Paz on 13.12.16No comments

As causas orgânicas das enfermidades podem ser tanto os fatores externos que se alojam numa determinada parte do corpo, prejudicando-o, quanto as atividades do próprio organismo que se alteram, perturbando a ordem biológica ou, ainda, alguma lesão provocada por acidente.
Portanto, não existe um estado corporal alterado sem ter havido algum fator da esfera física gerando tais alterações biológicas.
A ciência médica tem identificado cada vez mais os agentes desencadeadores das doenças e, com isso, combatido inúmeras enfermidades. A identificação dos males físicos tem sido um dos principais desafios da classe científica. Para conseguir combater, é preciso conhecer o tipo de distúrbio que o corpo apresenta. Somente a partir disso, é possível prescrever um tratamento que combata o mal que aflige o corpo.
O fato de a medicina ainda não ter descoberto a origem de determinada doença não significa que não haja um pro cesso orgânico causando tais alterações biológicas.
Conforme: a tecnologia se aperfeiçoa, mais ela se aproxima da cura das doenças.
A óptica metafísica aponta a condição interna da pessoa como a raiz dos males físicos. No entanto, ela não contesta a existência de agentes orgânicos ou inorgânicos presentes num organismo doente.
Mas o fato de existir determinadas condições físicas provocando as doenças não significa necessariamente que há falhas no sistema biológico, casualidade ou, mesmo; façanhas do oportunismo de vírus ou bactérias que se alojam no organismo, mas, sim, debilidade do corpo ou incapacidade de se defender dos invasores.
Segundo a óptica metafísica, as doenças refletem algumas condições emocionais desarmônicas, que são geradas pelos conflitos interiores. A verdadeira causa das enfermidades está no interior da pessoa, em sua condição psiquemocional e, principalmente, no sentimento do doente.
Esses processos interiores enfraquecem o corpo, deixando-o vulnerável às invasões ou mesmo às alterações nas funções biológicas, originando as doenças. O corpo somente é afetado por algum mal físico se existirem conflitos interiores provocando sentimentos perturbadores que vão interferir negativamente nas funções biológicas. Para compreender um pouco melhor essa relação entre as doenças físicas e as causas metafísicas, vejamos alguns exemplos: O corpo manifesta, por meio dos processos inflamatórios e infecciosos, as turbulências energéticas geradas pela irritabilidade ou inconformismo da pessoa. Esse estado interior surge em meio aos episódios desagradáveis que interferem negativamente em casa, no trabalho ou mesmo nos relacionamentos, comprometendo a harmonia numa dessas áreas da vida. Sem ter como evitar tais episódios, resta ao indivíduo abalado pelas interferências ficar profundamente chateado e até irritado.
Esses sentimentos são nocivos ao sistema imunológico do corpo, enfraquecendo as defesas do organismo e prejudicando o combate aos invasores, que, por sua vez, se alojam nos órgãos, caracterizando as infecções.
A formação de nódulos, tumores ou cistos em determinado órgão representa as forças energéticas que se tornam negativas por estarem acumuladas numa região do corpo. Esse emaranhado energético é provocado pelos conflitos interiores que surgem a partir da vontade de manifestar algo na vida, seguidos pela auto-sabotagem ou por crenças contrárias à expressão dos conteúdos inerentes ao ser. Desse modo, a pessoa impõe a ela mesma os bloqueios e recalques que a impedem de fluir livremente pelas diversas situações da vida, respeitando sua integridade e preservando sua originalidade.
O principal objetivo da metafísica da saúde é identificar, no extraordinário universo emocional, a condição interna que se encontra em desarmonia, onde principiam os desarranjos fisiológicos; é oferecer ao doente a consciência das condições internas causadoras dos males físicos; é convidá-lo a uma reflexão sobre si mesmo, sugerindo que ele reavalie seus sentimentos e mude algumas crenças. Desse modo ele estará promovendo as reformulações internas necessárias para resgatar definitivamente a saúde do corpo e conquistar a paz interior e a harmonia no meio exterior.
Existem algumas queixas de sintomas desagradáveis que não estão alojados no corpo em forma de doença. Nesses casos, as pessoas não estão fisicamente doentes.
Elas têm o padrão metafísico da doença, mas numa intensidade insuficiente para a somatização no corpo. Essa é uma ocasião oportuna para interferir no processo, alterando a condição emocional antes de a doença se radicar no corpo.
A metafísica da saúde propõe-se a traçar um paralelo entre os órgãos do corpo e as qualidades do ser, como se os talentos da alma representassem a fonte geradora das energias necessárias para organizar os tecidos do corpo, mantendo tanto a coesão atômica quanto a preservação das atividades biológicas, garantindo a saúde. Dessa forma, a saúde representa a boa condição da pessoa no emprego dos conteúdos interiores no meio exterior. A vida possibilita o exercício das qualidades, que se transformam em habilidades. Ao atuar nos diversos setores da vida, como o profissional, o afetivo, etc., desenvolvem-se aptidões que facultam ao indivíduo o poder de lidar com o meio externo, aprimorando as qualidades e desenvolvendo as habilidades.
Quando as pessoas deparam com as dificuldades da vida e não conseguem administrar as adversidades, de maneira a continuarem vertentes suas aptidões no meio externo, surgem os conflitos interiores, que se agravam ao ponto de se manifestar no corpo em forma de doença.
Os tropeços da vida representam para alguns uma espécie de ferida que corrói interiormente, minando as qualidades. Por outro lado, há quem passa pelas mesmas dificuldades e não lesa o corpo, porque não se deixa abater pelos obstáculos do cotidiano; passa pelas tormentas existenciais sem ruminar as indignações e cultivar a revolta. Considera os tropeços como um caminho de amadurecimento e as desilusões com as pessoas queridas como um processo de reciclagem e seleção nos relacionamentos.
A metafísica da saúde não é um recurso empregado exclusivamente para os casos de doenças. Apesar de se basearem nelas para explanação da filosofia do bem viver, os estudos metafísicos objetivam principalmente a conscientização maior do indivíduo e a compreensão dos processos existenciais, evitando o auto-abandono e tantos conflitos que surgem nas pessoas ao lidar com as adversidades da vida.
A metafísica da saúde representa um excelente recurso de auto-ajuda, dando às pessoas a compreensão necessária para que elas resolvam suas próprias dificuldades, harmonizando-se interiormente. Melhora a auto-estima por meio da conscientização dos potenciais inerentes ao ser, despertando autovalorização.
Metafísica da Saúde Vol. 3

Educação não é moldar a criança

Posted by Semeando Paz on 13.12.16No comments


A educação correta não está interessada em ideologia alguma, por mais promissora que seja uma futura Utopia; não se baseia em sistema algum, por mais escrupulosamente que tenha sido concebido; não é, tampouco, um meio de condicionar o indivíduo de determinada maneira. Educação no sentido verdadeiro, é ajudar o indivíduo a tornar-se um ente amadurecido e livre, para "florescer ricamente em amor e bondade". Nisso é que devemos estar interessados, e não, em moldar a criança de acordo com um padrão idealista.

Todo método de classificar as crianças segundo seus temperamentos e aptidões põe em relevo suas diferenças, cria antagonismo, fomenta divisões na sociedade e não ajuda a produzir entes humanos integrados. É bem evidente que nenhum método ou sistema pode promover a educação correta, e a estrita aderência a determinado método denota a indolência da parte do educador. Enquanto a educação se fundar em princípios rígidos, poderá produzir homens e mulheres proficientes, mas nunca formará entes humanos criadores.

Só o amor pode despertar a compreensão para com outrem. Quando há amor, há comunhão instantânea com outra pessoa, no mesmo nível, ao mesmo tempo. Porque somos tão áridos, vazios e sem amor é que deixamos os governos e os sistemas se encarregarem da educação de nossos filhos e da direção de nossas vidas; mas os governos precisam de técnicos eficientes e não de entes humanos, pois que estes se tornam perigosos para os governos — assim como para as religiões organizadas. É por isso que os governos e organizações religiosas têm interesse em controlar a educação.

A vida não pode ser posta em conformidade com um sistema, não podemos metê-la à força num molde, por melhor que este tenha sido concebido; e a mente que só se exercita no saber positivo, é incapaz de compreender a vida na sua variedade e sutilidade, nas suas profundezas e grandes alturas. Quando educamos nossos filhos de acordo com um sistema de pensamento ou uma determinada disciplina, quando os ensinamos a pensar "especializadamente", impedimos que eles se tornem homens e mulheres integrados, e por isso são incapazes de pensar inteligentemente, isto é, de encarar a vida como um todo.

A mais alta função da educação consiste em produzir um indivíduo integrado, capaz de entrar em relação com a vida como um todo. O idealista, tal como o especialista, não está interessado no todo, mas apenas na parte. Não poderá haver integração, enquanto estivermos interessados em algum padrão ideal de ação; e a maioria dos preceptores, que são idealistas, repudiaram o amor; suas mentes são áridas e seus corações insensíveis.

(...) Outra finalidade da educação é a de criar novos valores. Inculcar, simplesmente, na mente da criança os valores prevalescentes, fazê-la ajustar-se a ideais, é condicioná-la, sem despertar-lhe a inteligência. A educação está estreitamente ligada à presente crise mundial, e o educador que percebe as causas deste caos universal deve perguntar a si mesmo como despertar a inteligência do estudante e contribuir, deste modo, para que a geração futura não produza novos conflitos e desastres. Deve consagrar todo o seu pensamento, todo o seu desvê-lo e cuidado à criação do ambiente adequado e ao desenvolvimento da compreensão, para que, atingindo a madureza, a criança seja capaz de atender inteligentemente aos problemas que a vida lhe oferecer. Mas, para fazê-lo, precisa o educador compreender a si mesmo, em vez de confiar em ideologias, sistemas e crença.

Deixemos de lado os princípios e os ideais e interessemo-nos pelas coisas tais como são; o estudo do que é desperta a inteligência, e a inteligência do educador é muito mais importante do que seu conhecimento de um novo método de educação. Quando seguimos um método, ainda que tal método haja sido elaborado por pessoa sensata e inteligente, ele se torna tão importante que as crianças são consideradas importantes apenas quando se ajustam a ele. Tomamos as medidas da criança, classificamo-la e passamos a educá-la de acordo com um gráfico, um plano. Esse processo de educação pode ser muito conveniente para o preceptor, mas nem a prática de um sistema, nem a tirania da opinião e do saber podem produzir um ser humano integrado.

A educação correta consiste em compreender a criança tal como é, sem lhe impor nenhum ideal relativo ao que pensamos que ela "deveria ser". Enquadrá-la em um ideal é induzi-la a adaptar-se, o que gera temor e produz na criança um conflito constante entre o que ela é e o que "deveria ser". E todos os conflitos interiores têm suas manifestações exteriores na sociedade. os ideais constituem verdadeiro obstáculo à nossa compreensão da criança e a compreensão de si própria, pela criança.

O pai, que deseja de verdade compreender o filho, não o olha através da cortina de um ideal. Se ama o filho, observa-o, estuda-lhe as tendências, disposições e peculiaridades. Só quando não temos amor à criança lhe impomos um ideal, porque então pretendemos ver realizadas nela nossas próprias ambições e queremos que ela seja isso ou aquilo. Quem ama não o ideal, mas a criança, tem a possibilidade de ajudá-la a compreender-se a si própria, tal como é.

(...) para ajudar a criança, necessitamos de tempo para estudá-la e observá-la, e isso requer paciência, amor e carinho; mas, quando não temos amor, quando não temos compreensão, forçamos a criança a agir de acordo com um padrão a que chamamos "ideal".

Os ideais constituem escapula muito conveniente, e o preceptor que os segue é incapaz de compreender os seus discípulos e de cuidar deles inteligentemente; para ele o ideal do futuro, "o que deve ser ", é muito mais importante do que a criança atual. A fidelidade a um ideal exclui o amor, e sem amor nenhum problema humano pode ser resolvido.

O bom preceptor não confiará em método algum, estudará cada um dos seus discípulos individualmente. Nas relações que mantemos com as crianças e os adolescentes, não devemos encará-los como máquinas, passiveis de "endireitar" num instante, mas como seres vivos, impressionáveis, volúveis, sensíveis, medrosos, afetivos; e no trato com eles necessitamos de muita compreensão, da força da paciência e do amor. Quando carecemos dessas qualidades, recorremos a remédios prontos e fáceis, esperando resultados automáticos e maravilhosos. Quando somos desatentos, mecânicos em nossas atitudes e ações, eximimo-nos de todo e qualquer mister que nos pareça incômodo e que não possamos executar automaticamente; esta é uma das principais dificuldades na educação.

A criança tanto é resultado do passado como do presente, e como tal já está condicionada. Se lhe transmitimos nossa própria mentalidade, perpetuamos tanto o seu como o nosso condicionamento. Só há transformação radical se compreendemos nosso próprio condicionamento e nos livramos dele. Discutir sobre o deve ser educação correta, enquanto estamos condicionados, é totalmente fútil.

Enquanto as crianças são muito novas, devemos, é claro, protegê-las contra danos físicos e não deixar que se sintam fisicamente inseguras. Mas, infelizmente, não paramos aí; queremos formar suas maneiras de pensar e de sentir, queremos moldá-las de acordo com nossas próprias aspirações e intentos. Queremos preencher-nos em nossos filhos, perpetuar-nos através deles. Erguemos muralhas em redor deles, condicionamo-los a nossas crenças e ideologias, temores e esperanças — e depois choramos e rezamos quando morrem ou ficam mutilados nas guerras, ou quando as experiências da vida lhes infligem sofrimentos.

Essas experiências não trazem liberdade alguma;ao contrário, fortificam a vontade do "eu". O "eu" se constitui de uma série de reações defensivas e expansivas, e seu preenchimento está sempre em suas próprias projeções e agradáveis identificações. Enquanto traduzimos a experiência em termos relativos ao "eu", a "mim", ao "meu"; enquanto o "eu", o "ego", se mantiver por meio de suas reações, a experiência não pode ser livre de conflito, confusão e dor. A liberdade vem quando compreendemos a natureza do "eu", do "experimentador". Só quando o "eu", com suas reações acumuladas, não é mais o "experimentador", a experiência assume um significado inteiramente diferente e se transforma em criação.

Para ajudar a criança a libertar-se dos ditames do "eu", causadores de tantos sofrimentos, cada um de nós deverá modificar profundamente sua atitude e suas relações com a criança. Os pais e os educadores podem, com seu próprio entendimento e conduta, ajudar a criança a ser livre e a florescer em amor e bondade.

A educação, no seu estado atual, não favorece de maneira alguma a compreensão das tendências hereditárias e das influências ambientais, que condicionam a mente e o coração e sustentam o temor; por conseguinte, ela não nos ajuda a romper esses condicionamentos, para produzir um ente humano integrado. Qualquer forma de educação que só atenda a uma parte e não à totalidade do homem, conduz, inevitavelmente, a conflitos e sofrimentos cada vez maiores.

Só na liberdade individual pode florescer o amor e a bondade; e só a educação correta pode oferecer essa liberdade. Nem o ajustamento à sociedade atual nem a promessa de uma futura Utopia pode, em tempo algum, dar ao indivíduo aquele discernimento, sem o qual ele está sempre criando problemas.
O verdadeiro educador, que percebe a natureza intrínseca da liberdade, ajuda cada um dos seus discípulos, individualmente, a observar e compreender os valores e ilusões por ele próprio (discípulo) criados e "projetados"; ajuda-o a se tornar cônscio das influências condicionantes que o cercam, bem como dos seus próprios desejos, que limitam a mente e geram o temor; ajuda-o, no caminho para a virilidade, a observar e a compreender a si próprio em relação a todas as coisas, porque a ânsia de realizar nosso próprio preenchimento é a causadora de conflitos e tribulações infindáveis.

É certo que se pode ajudar o indivíduo a perceber os valores perenes da vida, sem condicioná-lo... A confusão que já existe no mundo surgiu porque o indivíduo não foi educado para compreender a si próprio. Deram-lhe alguma liberdade superficial, mas também lhe ensinaram a ajustar-se, a aceitar valores prevalecentes.

Contra estar "arregimentação", muitos estão insurgindo; esta revolta, infelizmente, é mera reação egoística, que ensombra mais ainda a nossa existência. O verdadeiro educador, cônscio da tendência da mente para a reação, ajuda o discípulo a alterar os valores atuais, não por meio da reação contra eles, mas pela compreensão do processo total da vida. A plena cooperação entre um homem e outro não é possível sem a integração, que a educação correta pode contribuir para o despertar do indivíduo.

Krishnamurti – A educação e o significado da vida
http://adultosadulteradosadulterantes.blogspot.com.br/

O que nos faz adoecer?

Posted by Semeando Paz on 13.12.16 1 comment



Não é o trauma em si que faz a pessoa adoecer, mas o desespero inconsciente, reprimido e sem esperanças de não poder expressar aquilo que sofreu; e também o fato de não poder demonstrar nem vivenciar os sentimentos de raiva, ira, humilhação, desespero, impotência e tristeza. Isso leva muitas pessoas ao suicídio, porque a vida lhes parece não ser mais digna de ser vivida quando elas não podem de modo algum viver todos esses sentimentos fortes que constituem o verdadeiro SELF.
Alice Miller
http://adultosadulteradosadulterantes.blogspot.com.br/

Mudar é sempre mais difícil do que permanecer o mesmo

Posted by Semeando Paz on 13.12.16No comments



“Mudar é sempre mais difícil do que permanecer o mesmo. É preciso coragem para se encarar no espelho e ver além do reflexo. Para encontrar o que você deveria ter sido. O que você perdeu pelos cruéis eventos de infância. Eventos que pegaram a trajetória natural da sua vida e a distorceram. Mudar para algo inimaginável, ou mesmo incrível, te dando a coragem para abraçar o seu legado, o seu destino.” 


Richard "Dick" Grayson, 1º Robin, Asa Noturna.
http://adultosadulteradosadulterantes.blogspot.com.br/



11 de dez de 2016

Invenções Censuradas: a cura do Câncer

Posted by Semeando Paz on 11.12.16No comments

É difícil pensar que a cura para o Câncer já poderia ter sido descoberta há 8 décadas atrás. Mais difícil ainda é imaginar que, tendo sido de fato inventada, foi censurada por lobby das indústrias farmacêuticas. Isso não é uma teoria da conspiração exagerada; já aclamaram até que a cura da Aids foi descoberta.
Quanto ao Câncer, tudo data dos anos 30, na Califórnia. Um grupo de doutores e bacteriologistas conduziram – com sucesso – o tratamento clínico da doença e relataram que:
1. O Câncer é causado por um micro-organismo;
2. o micro-organismo pode ser destruído de forma indolor em pacientes terminais e
3. os efeitos da doença podem ser reversíveis.
Em 1931 a técnica usada para a cura já estava relatava na revista Science, e, então, discutida em conferências médicas com explicações cautelosas e resultamos iminentes. Entretanto, houve um grupo de pessoas que sairia incrivelmente prejudicado com essa notícia tão fantástica para aqueles tempos. A indústria farmacêutica, junto com cientistas e físicos conseguiram abafar o alarme causado pelo grupo de descobridores. Aqueles novos médicos que começaram a adotar ou mostraram interesse na técnica usada para curar o Câncer foram coagidos a esquecê-la. O autor do artigo publicado na revista Science, um dos médicos do time, chamado Smithsonian, foi perseguido e baleado em seu carro. – consequentemente nunca mais escreveu uma palavra sobre o assunto, que morreu tão rápido quanto o alarde que causou nos conselhos de medicina. Todo o resquício de informação restante foi apagado de jornais, revistas e artigos pelo então conselho da AMA (American Medical Association), Morris Fishbein, desligado em 1949 por pressões e revoltas das delegações médicas.
Por que não pesquisaram sobre isso mais tarde? Os laboratórios foram proibidos pelo governo de realizar testes e exames clínicos com o que pouco ainda se sabia da provável cura do Câncer. Até mesmo os integrantes da equipe foram ridicularizados na mídia e escandalizados como mentirosos e charlatães. Daí então, restou o silêncio que paira até os dias de hoje sobre a cura para essa doença internacionalmente conhecida.
Voltando mais um pouco na história, no fim do século XIX, dois famosos pesquisadores – Pasteur e Bechamp – se contrapunham no chamado pleomorfismo (ocorrência de mais de uma forma distinta de organismo em um único ciclo de vida). Enquanto Bechamp acreditava que bactérias poderiam mudar sua forma, Pasteur defendia que não. Só em 1914 que o Instituto Pasteur confirmou a afirmação de Bechamp, que dizia, além da mudança de forma da bactéria, que ela poderia reduzir seu tamanho de forma a ser impossível enxergá-la por super lentes. Isso era inadmissível para a indústria médica e farmacêutica do século XX, mesmo com a veracidade comprovada pelo Instituto Pasteur. Está aí um agravante a descrença da cura do Câncer, 20 anos mais tarde, facilitando o encobrimento das provas de Smithsonian e de sua equipe.
Enquanto a cura estava sendo testada, um dos médicos relatou que um paciente de Chicago estava em estado terminal com um tumor maligno que encobria toda a face e pescoço.
“Era inacreditável como ainda estava vivo, pois o Câncer se alastrou de forma a “apodrecer” uma das pálpebras. Porém seis meses depois, quase que de forma milagrosa, a única coisa que restava era uma pinta escura em um dos lados da face, que parecia que cairia naturalmente a qualquer momento, não restando uma mancha. Fishbein ouviu esse caso e chamou o ex-paciente para uma ‘conversa’. Pouco tempo se passou e fui convidado com mais alguns colegas a jantar com um empresário da Califórnia que queria comprar a invenção da cura do Câncer. Não queríamos vendê-la de forma alguma, até porque não precisávamos de propaganda – o alarde já se espalhava pelo país. Resultado: um ano depois eu estava quebrado e com ações ajuizadas contra mim, por operar ‘sem licença’. Me pergunto que licença era essa.”
A cabeça por trás de Smithsonian chamava-se Royal Raymond Rife. Eles trabalhavam juntos e tinham uma amizade forte. “Roy” trabalhou na marinha durante a Primeira Guerra Mundial como investigador de laboratórios bacteriológicos na Europa. Por volta dos anos vinte ele construiu seu próprio microscópio, além de instrumentos que permitiriam-no destruir eletronicamente grupos de micro-organismo patológicos específicos. Inventou, também, formas de destruir vírus com raios de luz, o que o possibilitou construir outro microscópio com frequências de luz que coordenariam os componentes químicos do micro-organismo em estudo. Essa pesquisa chegou ao público em 1929, já sete anos depois no início dos seus estudos da cura do Câncer.
Após se juntar ao doutor Arthur Kendall e ao doutor Milbank Johnson, a equipe elaborou o microscópio mais potente para análises patológicas da época, segundo o Los Angeles Times, em novembro de 1931. A capacidade de aumento era de 17.000 vezes, em contrate com 2.000 vezes um microscópio ordinário daqueles tempos. Essa invenção foi contestada por muitos, já que desafiava os limites ópticos conhecidos. O mesmo artigo dizia que essa mesma invenção extraordinária poderia ser capaz de estudar germes que produziam mais de 50 tipos de doenças, cujas causas eram desconhecidas.
Com o feixe de luz polarizada acoplada ao microscópio, os pesquisadores já tinham conseguido eliminar a bactéria do Tifo, os vírus da Herpes e do Câncer, além de muitos outros vírus animais. No final de 1931, ao receber uma massa cancerígena, os médicos encontraram um vírus desconhecido que estava causando o tumor maligno. Em um de seus testes, ao injetar um pouco da massa em um tubo com gás argônio ativado por uma corrente elétrica, percebeu que a aparência do vírus estava mudando, depois de 24 horas naquele estado. Ao relatar a sua cor arroxeada, percebeu que a cura do Carcinoma estava descoberta. Ele repetiu esse teste 104 vezes, todos com sucesso.
A pesquisa levou a conclusão que o micro-organismo do Câncer possuía quatro formas, dentre elas, a Carcinoma e a Sarcoma. Mais 400 testes foram realizados para destruir o micro-organismo e, mais uma vez, tudo com sucesso. Quem de fato chegou a publicar o artigo foi Smithsonian, da equipe de Roy, que foi morto ainda em 1932.
Fontes e mais informações:
LYNES, B. Royal Raymond Rife and the Cancer Cure that workedSupressed Inventions and Other Discoveries

Campos eletromagnéticos do coração

Posted by Semeando Paz on 11.12.16No comments


O coração é o primeiro órgão humano a funcionar durante a gestação. Estudos mostram que o coração possui um campo eletromagnético de transmissão para todo o resto do corpo. A cada batida do coração envia ondas eletromagnéticas que contém algumas informações essenciais.
Por ser um dos meios principais de comunicação com o Universo e com as pessoas, o coração é um órgão de extrema importância para o homem. Apesar de termos aprendido, na ciência convencional, que o coração é funcional por bombear o sangue com nutrientes para todas as células, sua utilidade vai bem além disso. De acordo com neuro-cardiologistas, de 60 a 65% das células não são só músculos, mas neurônios, que fariam esse órgão funcionar de maneira similar ao cérebro. Talvez por isso, aproximadamente 20 dias depois da fecundação, o coração já começa a funcionar.
Enquanto o cérebro nos dá informação individual, o coração daria a informação universal, levando a chave que conecta o ser individualizado à sociedade. As ondas eletromagnéticas enviadas pelo coração alteram de acordo com as emoções que sentimos – dessa forma, boas emoções nos previnem, de fato, de doenças, pois fortalecem nosso sistema imunológico. Essas ondas podem ser medidas metros além do nosso corpo e fluem em correntes indo e vindo, em formato de um anel. O sistema de neurônios do coração possui memórias de curto e longo prazo e os sinais enviados ao cérebro também afetam nossas emoções; dessa maneira, o coração envia mais informações ao cérebro do que o oposto.

Muitas vezes somos enganados pela propaganda missiva das indústrias, mas a informação é sempre a melhor forma de nos conscientizar sobre os riscos que corremos em um mundo capitalista e ganancioso.

Posted by Semeando Paz on 11.12.16No comments

Todos nós sabemos que o açúcar em excesso pode causar diabetes e algumas outras doenças crônicas. A hiperatividade de crianças, cáries, obesidade e até mesmo câncer são alguns dos males que a sociedade moderna observa – principalmente países com um alto índice de consumo de açúcar.
O problema é que a própria indústria açucareira gasta dinheiro e esforço para elaborar estudos dos males do aspartame e de substitutos químicos/naturais… e gastam muito também para criar campanhas sobre o quão bom o açúcar é para a depressão e, em certas quantidades, para o controle do peso.
Não é normal considerar que crianças americanas tem média de consumo de 7 trilhões de calorias de açúcar (só em bebidas!) por ano! Um aumento no consumo mundial de uma lata de refrigerante por dia pode levar a um aumento de 1% da taxa do risco de diabetes, por exemplo. Esse consumo excessivo (pense bem, uma lata a mais de refrigerante por dia; é uma realidade tão previsível quanto o sol nascer no dia de amanhã, você o vendo ou não) não só acelera o envelhecimento, como também faz com que a insulina seja liberada por uma proteína específica que causa o câncer.
Ao mesmo tempo que o açúcar em excesso faz mal, temos que cuidar da nossa alimentação: estudos de universidades britânicas mostraram que uma maçã por dia previne o envelhecimento e fortalece os órgãos vitais. Então, por mais difícil que seja em um meio tão influenciável, o ideal é controlar a alimentação das crianças; cientistas testaram em laboratório e comprovaram que o açúcar é tão passível de vício quanto o álcool ou a cocaína.
Muitas vezes somos enganados pela propaganda missiva das indústrias, mas a informação é sempre a melhor forma de nos conscientizar sobre os riscos que corremos em um mundo capitalista e ganancioso. Pensando em nossa saúde, conseguiremos desenvolver um auto-controle até mesmo alimentício, e repassá-los aos nossos filhos e amigos.

O fígado e a inteligência emocional

Posted by Semeando Paz on 11.12.16No comments
Na visão da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), o fígado, do ponto de vista energético, está estreitamente envolvido com a vesícula biliar (postura e decisões), mas também com os olhos (sentido da visão), ombros, joelhos e tendões (flexibilidade), unhas, seios e todo o aparelho reprodutor feminino.

Na MTC se diz que o fígado é o órgão mais importante para a mulher, assim como o rim o é para o homem. Praticamente, todo o sistema reprodutor feminino é regido pelo fígado, responsável por alterações no ciclo menstrual, presença de cistos de ovário, miomas uterinos, corrimentos ou pruridos vaginais, alterações da libido como frigidez e impotência. O fígado é responsável por manter o livre fluxo da energia total do corpo.

Como o movimento do sangue segue o movimento da energia, dizemos que o fígado direciona a circulação do sangue e regula também o ciclo menstrual. Mas seu papel mais importante, é sem dúvida, sobre o equilíbrio emocional. É o livre fluir da energia do fígado que vai nos permitir responder vitoriosamente aos desafios da vida, aos estímulos emocionais e afetivos, 24 horas por dia, cada segundo de nossa vida, sem parar.

Daí começa a responsabilidade e respeito que devemos ter pelo nosso fígado e sistema hepático. E já podemos deduzir sobre o desgaste intenso ao qual este sistema é submetido no cotidiano da vida moderna. Pouco se sabe sobre sua importância e como auxiliar, ser cúmplice, do fígado nesta missão existencial: equilíbrio emocional e afetivo. Visão, flexibilidade, postura e decisões.

Pelo contrário, só pela má alimentação e sedentarismo, a cultura ocidental faz de tudo para fragilizar o sistema hepático. Os maus hábitos alimentares e de vida levam ao seu desequilíbrio funcional, que leva ao desequilíbrio emocional, que desencadeia mais maus hábitos alimentares e de vida. Este desequilíbrio energético pode se manifestar de várias formas. Dependendo da sua localização: insônia, enxaqueca, hipertensão, problemas digestivos, TPM, etc.

Os problemas ligados ao fígado podem ser por falta ou por excesso de energia circulante. Um bom exemplo de excesso é a raiva, mais exatamente a raiva reprimida e, num quadro de vazio energético, temos a procrastinação e o medo paralisante, ou síndrome de pânico. A estagnação do fluxo de energia do fígado freqüentemente desequilibra o emocional, produzindo sentimentos de frustração e ira. Essas mesmas emoções podem levar a uma disfunção no fígado, resultando em um ciclo interminável de causa e efeito. Como todas as emoções, boas ou más, passam pelo fígado, não devemos reprimi-las infinitamente.
 
A repressão das emoções provoca um bloqueio da energia que leva ao excesso de calor no fígado. Cabe uma distinção entre sentimento e emoção. Os sentimentos, geralmente, fortalecem os órgãos e servem como mecanismos de defesa para o organismo. Uma certa irritação que nos leva a reagir diante de um ataque ou quando nos sentimos lesados, é diferente da raiva que é cega e destrutiva. Os olhos são a manifestação externa do fígado. Em outras palavras, o fígado rege o sentido da visão. Assim, patologias da visão irão sinalizar alguma alteração no fígado.
 
As mais comuns são: conjuntivites, olhos vermelhos sem processo inflamatório, coceiras, “vista” seca, visão fraca, embaçada ou borrada, terçol, pontos brilhantes que aparecem no campo visual, e outros.
A lágrima é a secreção interna que ajuda a aliviar o fígado. Cuidado com olhos secos. Daí vem a importância do exercício de “piscar os olhos” (sempre – não esquecer) e de não reprimir o choro, embora nem sempre seja conveniente socialmente. Mas, acredite, conter o choro faz mal à saúde. Ah! Uma forma divertida de chorar / lacrimejar é deixando o riso fluir, acontecer no seu dia-a-dia, na sua vida.
 
As unhas são outra manifestação externa das condições do fígado, e as suas deformidades ou a presença de micose sugerem algum comprometimento do fígado, ou desequilíbrio prolongado da sua energia. O fígado rege as articulações do ombro e joelhos, e também os tendões de modo geral. Assim sendo, as bursites e dores nos joelhos, sem causa aparente, são sinais de comprometimento da energia do fígado. As tendinites e os estiramentos freqüentes também estão neste quadro.

Todo órgão está associado a uma víscera que, no caso do fígado, é a vesícula biliar. Resumidamente, a vesícula atua mantendo o equilíbrio postural. Todos os quadros de tonturas, vertigens, labirintites estão ligados a ela. Rege a articulação tempero mandibular (ATM). Todas as tensões que ficam retidas no fígado podem ser descarregadas nesta região e produzir o bruxismo, que é um quadro de ranger os dentes, que se manifesta mais frequentemente durante o sono. Metafisicamente a vesícula biliar comanda a capacidade de tomarmos decisões assertivas. Uma vesícula desequilibrada se manifestará na forma de indecisões, ou mesmo desorientações, perda de rumo.

E, para resumir e partir o mais rápido para a ação de cumplicidade “de bem com o fígado”, é recomendável :
– desintoxicar-se diariamente com o aumento do consumo dos alimentos de origem vegetal, maduros, crus, idealmente orgânicos e integrais;
– desintoxicar-se diariamente praticando a terapia do riso, as brincadeiras, as artes, o lazer;
– praticar atividade física moderada diariamente. (As pessoas não têm noção de como este hábito é vital para o livre fluxo de energia do fígado);
– os sabores ácido e amargo, assim como os alimentos de cor verde, são os maiores aliados do fígado.

Entretanto, na primavera, evite exagerar nos sabores ácidos e picantes.
– evitar intoxicar-se com alimentos muito gordurosos (tanto pela qualidade, gordura animal e óleos refinados, como pela quantidade, frituras, açúcar, café , álcool, substâncias químicas diversas que afetam o humor; etc.)
– evitar vida sedentária e estressante, o mau humor, ilusões e grandes expectativas.
Autoria: Ernani Franklin

Você ja ouviu falar de orgonite??

Posted by Semeando Paz on 11.12.16No comments



 Agora, vamos entender o que é a Orgonite. 
A orgonite libera a energia orgone quando é estimulada por outras formas de energia… complexo? Imagine poder passar o estado não saudável para o estado saudável de um corpo vivo só com a energia? É possível.

A orgonite é feita principalmente de materiais metálicos (pequenos fragmentos), como cobre, alumínio, bronze, etc. Utiliza-se resina de fibra de vidro e cristal quartzo.

O objetivo da peça é trabalhar e transmutar o processo negativo de qualquer situação (a falta de energia) para o processo saudável (com energia).

As substâncias orgânicas atraem e guardam a carga orgone, enquanto as substâncias metálicas a repelem. Isso gera a fricção que movimenta a energia orgone. Em alguns pontos, a movimentação energética é tão forte que permite a criação de certo eletromagnetismo com a bioenergia.

Dessa forma, ao colocar a orgonite em superfícies desenergizadas, que aparentam um estado pouco saudável, transmuta-se a saúde! Pode ser colocado em cima de filtros, para energizar água, perto de alimentos ou de cabeceiras das camas.
 Spirit Science. The truth about Orgone energy. 

Os seres vivos são feitos de luz

Posted by Semeando Paz on 11.12.16No comments



Um Biofóton é um tipo de partícula de luz que existe em todos os seres vivos. Apesar de existir no espectro visível ultravioleta, para vermos a olho nu, precisaríamos de uma visão 1000 vezes mais sensível.
Porém a ciência conseguiu descobrir que os biofótons não são só somente produto do metabolismo químico dos seres vivos. Na verdade, eles podem ser capturados e armazenados sentro de células… podem até mesmo viajar pelo nosso sistema nervoso! Isso pode comprovar que os biofótons podem transferir energia e comunicar informações, ajudando na visualização de imagens.
Isso ajuda a entender como estamos criando computadores: esses são feitos e montados a partir de chips de cristal de silicone pelos quais passa-se a luz em intervalos. O primeiro computador originariamente foi criado por um bulbo de lâmpada e grandes chips que se programavam pela frequência da emissão de luz.
Os cientistas então descobriram que nosso DNA é uma forte fonte de biofótons, que se comunicam entre si e criam luz. Esse tipo de “laser” (exciplex) criado pela transmissão de luz se consiste em pseudo-moléculas que só existem em estado excitado de matéria e emitem luz a nível ultravioleta.
Um estudo colocou um grupo de pessoas em uma sala escura e foram pedidos que visualizassem uma luz brilhante. Quando fizeram isso, os exames comprovaram que as emissões de biofótons aumentaram significantemente, mostrando que nossas intenções influenciam a luz!
A luz se mostra uma verdadeira parte dos seres vivos. Não é por acaso que já diziam que “os seres humanos são feitos de luz”! Isso poderia justificar como oReiki reage de forma significativa pelas pessoas, ao passar energia – luz – pelas mãos.


Fontes e mais informações:
Spirit Science. Biophotons demonstrate we are all made of light.

Há dois sentimentos que são os mais difíceis de ultrapassar: o que resulta de descobrir uma coisa que já foi descoberta e o que decorre de se não ver descoberto aquilo que se devia ter descoberto.

Posted by Semeando Paz on 11.12.16No comments


Quanto mais descobrimos e estudamos, mais nos tornamos alegres. Quanto mais nos aproximamos da Verdade, mais somos estimulados a buscá-la.

Sobre a Descoberta

Ninguém nos pode privar da alegria do primeiro momento de consciência, ou seja, da descoberta. Mas, se reclamamos as respectivas honras, a alegria corre grave risco de se desfazer. Porque na maior parte dos casos não somos os primeiros. 
O que é a descoberta? E quem pode dizer que descobriu isto ou aquilo? Que grande loucura é afinal alardear prioridades nesta matéria. Porque não querer confessar abertamente o plágio é arrogância e inconsciência. 
Há dois sentimentos que são os mais difíceis de ultrapassar: o que resulta de descobrir uma coisa que já foi descoberta e o que decorre de se não ver descoberto aquilo que se devia ter descoberto. 

Johann Wolfgang von Goethe, in 'Máximas e Reflexões' 

A Técnica Alexander visa a reeducação da mente e do corpo, encontrando um novo balanceamento de tensões e forças.

Posted by Semeando Paz on 11.12.16No comments



A Técnica Alexander é uma maneira de aprender a eliminar a tensão desnecessária que você põe no seu corpo. Dessa maneira, todos os movimentos são pensados, proporcionando um alto grau de bem-estar. Analisando os maus hábitos, a técnica corrige encurtamentos, tensões, distensões, afrouxamentos e outros diversos problemas na estrutura humana, utilizando somente exercícios energéticos e sem qualquer equipamento ou material além do próprio corpo.
Ao focar em um movimento, o cérebro aprender a gastar somente a energia realmente necessária para aquela ação – cantar, dançar, correr, dirigir, trabalhar, etc. Não é como a academia com uma série de exercícios de força. A Técnica Alexander visa a reeducação da mente e do corpo, encontrando um novo balanceamento de tensões e forças.
Frederick Matthias Alexander (1869 – 1955), natural da Áustria, foi um ator que tinha laringite crônica toda vez que atuava. Frustrado com a falta de ajuda dos médicos, começou a pesquisar sobre o que poderia ser a causa da doença e percebeu um foco de extrema tensão na região da garganta e pescoço toda vez que se portava no palco. Sua cura foi tão impressionante que colegas e médicos começaram a se interessar pelo seu tratamento, estudado por mais de 50 anos e lecionado por 35 anos.
Para o ator, a mente e o corpo seriam indivisíveis e, muitas vezes, faríamos coisas de formas diferentes do que pensamos fazer. Observando todos os detalhes e estrutura do corpo, Alexander entendeu que as pessoas deixaram de se portar como deveriam – encurvados e tencionados, com uma estrutura diferente da formação original do organismo. Os males de uma respiração errada podem afetar até a postura. Pensando nisso, Alexander instruiu pessoas a aplicar a técnica em alguns pacientes.
O sucesso foi tanto que diversos músicos, artistas, atletas e até mesmo profissionais de outras áreas procuraram especialistas para aplicarem a técnica no dia a dia. Durante as aulas, normalmente de 30 a 45 minutos, os professores observam a postura, o caminhar e até mesmo a forma de sentar do aluno, instruindo exercícios com alta carga energética para tirar, colocar ou distribuir a tensão de alguns focos do corpo.

Veja o vídeo em que uma mulher foi curada de um câncer de 7,6 centímetros na bexiga em apenas 2 minutos e 47 segundos.

Posted by Semeando Paz on 11.12.16No comments

Por que devemos afirmar que “somos perfeitos, somos saudáveis, somos financeiramente abundantes”, etc.?
O professor Gregg Braden explica e exemplifica o poder do pensamento e um fator até então desconhecido pela cultura ocidental: o campo da “Matrix Divina”.
Veja o vídeo em que uma mulher foi curada de um câncer de 7,6 centímetros na bexiga em apenas 2 minutos e 47 segundos.
  1. O DNA humano afeta diretamente o mundo físico
  2. A emoção humana muda o DNA que muda o mundo físico, pois há um campo que conecta tudo – a Matrix, ou condutor.

Fábula: jeitinho brasileiro

Posted by Semeando Paz on 11.12.16No comments



O macaco foi até onde estava Deus para Lhe pedir sabedoria.
Deus o recebeu, ouviu sua solicitação, mas em troca pediu que o bicho Lhe trouxesse uma xícara de leite de onça e três ovos de jacaré.
O macaco aceitou a proposta e foi para a mata esperar a melhor oportunidade de passar a perna na onça.
Quando a bicha se aproximou, ele trepou numa árvore e começou a tirar cipó. Cismada com aquilo, a onça lhe perguntou:
— Ô, amigo macaco, por que você está tirando tanto cipó?
— Então a amiga onça não sabe? Está vindo uma grande tempestade de vento, e quem não se amarrar bem forte será jogado no mar.
A onça, então, morta de medo, implorou:
— Já que o amigo é mais jeitoso, deve me amarrar numa árvore e depois se amarrar noutra.
O macaco mandou a onça levantar as patas dianteiras e amarrou com tanta força que ela mal se mexia. Em seguida, amarrou as traseiras e, sem que ela reagisse, ele tirou uma xícara de leite. Para terminar, mamou até se fartar e ainda deu uma surra na onça antes de ir embora.
Em cima da árvore, observando tudo, estava um sonhim. Assim que o macaco saiu, ele desceu e mamou na onça também. A onça ficou muito envergonhada por ter caído naquela armadilha.
Agora só faltava o macaco conseguir os ovos de jacaré. E lá foi ele, disposto, em direção ao rio, onde encontrou um jacaré chocando os ovos. O macaco, depois de cumprimentá-lo, disse:
— Amigo jacaré, embaixo da ponte está havendo uma festa de cabrito. Você não vai?
O jacaré se jogou na água e foi em busca da tal festa. Enquanto isso, o macaco apanhou três ovos e a xícara e foi à procura de Deus para entregar os presentes e receber , em troca, a sabedoria. Mas Deus, vendo o macaco chegar, foi logo dizendo:
— Macaco, não posso lhe dar sabedoria, pois você já é sabido demais!

Informante: Cassiano Fonseca (Maroto) – Igaporã, Bahia
 
Publicado em Contos folclóricos brasileiros (Paulus, 2010)